quinta-feira, 24 de abril de 2014

QUANDO TE PENSO ABRIL



                                         Publicado em livro  -  2008



Quando te penso Abril, não estou a crepitar lágrimas, estou a festejar amanhãs, árvores frondosas que ajudámos a plantar.
Apesar das dificuldades impostas, dos tartufos, da indiferença e dos detratores de Abril, a revolução democrática e popular foi um hino à liberdade que me permite dizer - gosto de ter nascido neste chão.
Apesar dos indigentes e desiludidos, antifascistas que nunca foram anticapitalistas, ainda hoje confundem Abril com os resultados dos que o combateram e combatem.
Quando te penso recordo muito do que sonhámos e sonhamos.
Assim vivemos esta vida com uma estrela que se vê, concreta, objectiva, colada no teto do mundo - não por religiosidade mas por convicções.
Quando te penso Abril, não estou a viver memórias, estou a permanecer na luta por causas - até as estrelas descerem à terra - porque não estamos no fim das ideologias nem da História.
Abril devolveu-nos a vontade de ser cidadãos do mundo, militantes da vida, contra a selva instalada.
É preciso acordar o silêncio - em Maio recriar os cravos.

15 comentários:

Maria João Brito de Sousa disse...

Recriemos quantos cravos forem necessários!


Abraço!

jrd disse...

Os cravos de Abril fazem mais sentido quando se transformam em flores de Maio.

Abraço

anamar disse...

Que se recriem pois os cravos dos tempos vindouros...

Com a vida aprendi a cheirá-los...

Abracinho

Janita disse...

Junto-me a si nesse pensar de Abril!
Se preciso for tocaremos os sinos a rebate, para despertar silêncios e recriar os cravos em Maio.

Um abraço.

PS: Acho que fiz uma descoberta feliz. A sábia bravura de um felino aliada à mansidão poética e empolgante do mar.:)

Suzete Brainer disse...

Belíssimo!!

"É preciso acordar o silêncio-

em maio recriar os cravos."

Nunca abdicar do "sonho"

de mudança,do mundo mais

justo,digno e humano...

Bj.

Sónia M. disse...

Gostei de ler.
Ao nascer, alguém me disse ao ouvido, "Já nasceste livre!". Nasci em Maio.

Beijo

Graça Pires disse...

Reinventamos novos cravos sempre que for preciso.
Abraço.

Ailime disse...

Muito belo e sentido o seu texto poético!
"É preciso acordar o silêncio" e manter bem vivo o aroma dos cravos. Bj e muito obrigada pela sua vista. Ailime

maceta disse...

tambem eu! sempre quis fazer a vida aqui, na terra que sempre conheci e as ervas daninhas têm que ser queimadas, elas não conhecem os ares deste país...

Ana Tapadas disse...

Muito belo e redimensionador da esperança da esperança!

Beijo

anamar disse...


Passo para deixar um abraço.

Hoje já são 26.

Recordo o 26 de há 40 anos.

:)

Agulheta disse...

Em pleno acordo,reinventar os cravos que voltem a sair desta terra que deu grandes vultos ao mundo.
Abraço amigo e presente.

heretico disse...

"Quando te penso Abril, não estou a crepitar lágrimas, estou a festejar amanhãs, árvores frondosas que ajudámos a plantar..."

uma belíssima síntese que te define como Homem e como Poeta!

forte abraço, meu irmão.

GL disse...

Se me permites, querido Puma, faço minhas as tuas palavras. Tudo o que pudesse acrescentar seria desnecessário.
Abraço, Amigo.

EU disse...

Nunca é tarde para ler sobre Abril...
Sou coautora numa Antologia sobre "Onde estavas no 25 de Abril". Soube-me muito bem relatar, em 4 páginas, a minha vivência...

:)

(O Puma e Mar Arável? Só pode...)