quarta-feira, 15 de outubro de 2014

VAMOS CONTINUAR A TRABALHAR SÓ PARA PAGAR JUROS





O desgoverno insiste obedecer a uma europa tresmalhada sem defender os interesses do país. 
O chamado novo orçamento prevê baixa de impostos para famílias que estão isentas por estarem abaixo de todos os limites. Prevê a baixa do IRC olhos postos nos grandes impérios financeiros. O estado social em queda brutal. Transferência de odiosos para o próximo governo. Privatização a preços de saldo de empresas estratégicas. Redução na despesa à custa de milhares de "excedentários" na função pública. Manipulação de números quanto ao crescimento das exportações, ao consumo interno e ao mercado paralelo. Cai o CES por imposição do Tribunal Constitucional. A fixação de não renegociar a dívida vai impôr ao país que continue a trabalhar por uma côdea só para pagar juros. 

O grande desafio é a demissão urgente deste descalabro.




7 comentários:

heretico disse...

a senhora Merkel tresmalhou a Europa - é uma empata...

nem manda (bem) nem larga o comando...

abraço

A. disse...

Estamos entalados num problema dos diabos!... Vários problemas, digo eu. Um deles é não ser possível mudar o passado, outro problema é pensar que sabemos como mudar o presente e o maior problema de todos é não termos ideia nenhuma do futuro!... Somando estes problemas ao problema grave de não haver alternativas nem alternativas à alternativa, torna tudo muitíssimo pior!...
Eu tenho cá umas ideias, mas... o incêndio seria de proporções épicas!...



Abraço

anamar disse...

Já falta pouco. O tempo passa a correr.

Pelo menos algo muda em Janeiro.

Abracinho, irmão de Manuel. :)

jrd disse...

Estão bem ensinados, vão obedecer até ao fim.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Fria, segura, serena
explica a ementa
O profissionalismo e o fervor colocados na missão
ter-lhe-ão assegurado o futuro. Quem sabe se ao lado de Gaspar ...
Que lhe importa que destrua um País e causado o descalabro, se era esse mesmo o caminho que lhe tinham traçado?

trepadeira disse...

A demissão do descalabro não chega. É imprescindível, para exemplo futuro, penalizar os descalabrantes e obrigá-los a pagar os crimes cometidos. Depois, bem, depois com o ar mais respirável e o ambiente mais saudável, mudar a política.

Abraço,

mário

EU disse...

Eu não diria melhor...