terça-feira, 29 de abril de 2014

AVES QUE SE LEVANTAM



                                          
    
                                          Publicado no " Chão de claridades "


A erosão do movimento
gera novos movimentos
no espaço
neste chão de asas
tão leve
que já nem o ar que se respira
sente os seus passos

chamo por ti
simplesmente chamo
e tu vens

só não sei quem és
e isso para mim já é tanto

A erosão do movimento
gera novos movimentos
mesmo nos rios cansados

Repara bem

onde se movem as águas
estão sempre a cair aves
que se levantam


6 comentários:

jrd disse...

Uma e outra vez, de transformação em transformação, pelo movimento nos vamos.

Abraço irmão

Lídia Borges disse...


Não é tempo de águas mansas, não!


Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

Eufrázio Filipe um Poeta de Abril!

um poema muito belo a lembrar o 1 de Maio.


:)

Branca disse...

È tempo de agitar águas sim...e de trazer pássaros de liberdade nas mãos.

Beijo

EU disse...

Detesto águas paradas. Estagnadas, cheiram muito mal. Estreitadas, sufocam...
Que este teu belo poema seja movimento e aragem de mudança

Parabéns. Bjo

Suzete Brainer disse...

Aves que se levantam

para o voo

do sonho que não morre...

Belíssimo!!

Adorei,poeta.