domingo, 21 de setembro de 2014

ADIAR O INEVITÁVEL






Esta europa vive alegre  mente o paradoxo das fronteiras virtuais.

Prisioneira e sem memória vai adiando um ciclo de cataclismos à vista
e assim, entendem os chefes máximos do pessoal menor
que já não é mau adiar o inevitável

9 comentários:

José Lopes disse...

O problema das fronteira é sobretudo um problema da má redistribuição da riqueza e do respeito (ou falta dele) nas relações entre diferentes grupos sociais, entre o centro e as periferias e entre o poder e a sociedade em geral.
Cumps

Rogerio G. V. Pereira disse...

Hoje, Dia Internacional da Paz,
por ser domingo
não se produziu nem uma bala
consta que tenha sido
metido
nenhum cancelamento para a sua aquisição
nem houve nenhuma devolução
Por um dia, adiou-se o inevitável

Maria Eu disse...

Muito sofreremos, primeiro! :(

Beijinhos Marianos, Puma! :)

EU disse...

Diacho, Puma, por vezes nem sei o que dizer. É profundidade a mais quando muita gente nos cansa e desarranja os neurónios!
Ok, vamos cantando e rindo, adiando-nos, a ver se o tempo cura as feridas. Mas, um dia, o inevitável olhar-nos-á frente a frente...

GL disse...

Sabes que já vou perdendo a voz? Tudo isto é demasiadamente grave, preocupante, dramático.
Estamos encurralados, ou é só impressão minha?

heretico disse...

no sufoco do euro todos os desastres são previsíveis...

enfim, se tem que ser que seja já!

abraço

maceta disse...

trata-se de uma sociedade comercial por quotas e, como se sabe, um dia os sócios chateiam-se...

José Lopes disse...

Têm a mania que globalizando-se a economia e forçando os mesmos hábitos de consumo nos tornaremos todos iguais, mas como a distribuição da riqueza e do poder são diferentes, as coisas só podem vir a azedar e a desagregação será o resultado mais suave, porque a beligerância pode tomar conta das vontades...
Cumps

maceta disse...

deviam ser phundidos.