segunda-feira, 20 de maio de 2013

AINDA É POSSÍVEL EVITAR A VIOLÊNCIA





Ainda mantemos umas côdeas do que resta de Abril? Pois sim...
mas com o país em acentuado decréscimo demográfico, os jovens em fuga, os idosos castigados, os contentores a servirem de gamelas, o galopante desemprego, o extermínio da economia e do Estado social, a soberania em falência e o descrédito nas instituições - assim não estamos a caminhar para o precipício, estamos na vertigem do descalabro total - mesmo assim, os carrascos não querem sair pela porta.
Atingimos os limites. Que fazer?
Ainda é possível evitar a violência.

10 comentários:

trepadeira disse...

Defenestrando-os.

Abraço,
mário

Rogério Pereira disse...

Ainda!

Justine disse...

'Bora lá, para a rua!

Vento disse...

violência não foi o mote de Abril, mas confesso, foge-me a voz cada dia mais.
que fazer?
diz tu
que sempre sabes o que fazer!

beijo.

anamar disse...

Hoje, depois de visitar a exposição sobre Álvaro Cunhal, emocionei-me muito, Fixei-me nas suas palavras, tão atuais...

:((

heretico disse...



todos a Belém!em força e determinados.

abraço

Lídia Borges disse...


Este retrato (real) que faz deixou-me sem fala!...

É preciso colocar um ponto final nisto.

Lídia

maceta disse...

a coisa está a correr muito mal...

Ana Tapadas disse...

É preciso um ponto final nesta fase/frase tão mal construída.
O post é tão real! A violência espreita, sim.

Beijinho

Zé Povinho disse...

As ervas daninhas só desaparecem com remédios mais radicais, que gostaríamos de evitar, se possível.
Abraço do Zé