segunda-feira, 23 de abril de 2012

TOLERÂNCIA ZERO PARA O DESGOVERNO


 
O Miguel que conheci pessoalmente e meu ex-camarada
foi um Homem democrata lutador e culto

Não deixemos morrer os nossos mortos



13 comentários:

São disse...

Será que acham meter-nos medo???

Teté disse...

Absolutamente de acordo! :)

jrd disse...

Caminhar e cantar (n)as ruas de Abril. Sempre!

Abraço

maceta disse...

o pensamento é livre custe o que custar...

Rogério Pereira disse...

...com um cravo vermelho no peito
e um sorriso no rosto

É assim que se avança
com toda a confiança

trepadeira disse...

Abrir-lhes a porta da rua,ou a janela.

Um abraço,
mário

anamar disse...

Estamos aqui bem vivos para levantar o que teima morrer.
abracinho

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Espero que amanhã sejam muitos a mostrar que não se conformam.

O Guardião disse...

O 25 de Abril continua vivo nos que pretendem viver num Portugal melhor e mais justo.
Cumps

Pata Negra disse...

Enquanto formos vivos, e mesmo depois de mortos, nunca estaremos do lado dos que nos governam em nome dos poderosos! Poderosos serão, mas não terão poder para arrancar um mês ao calendário!
Um abraço e sempre

Belos e Malditos disse...

ganda Miguel nunca morrerás.

A. disse...

Mas demasiado bom rapaz!... Um dos tripartidos familiares, nem aqueceu bem arrefeceu!... Bom Homem, Bom coração... mas faltou-lhe aquela força!... E foi isso que o matou!.... Não foi o cancro do pulmão!... Foi a falta de inércia que o arremessou para um canto da sua bondade!... Sofreu anos a fio e ninguém lhe ligou a ponta de um corno!... Ninguém. Depois... morreu e todos se lembraram que ele não entrava em "submarinos". No entanto, não deixa de ser um fruto de uma família estratégica e convenientemente multipartida, como se a imagem da Liberdade de opção fosse o exemplo maior da educação mais certa!...
Amanhã morro eu!... Mas, ninguém tem culpa!...

Abraço

OceanoAzul.Sonhos disse...

Miguel Portas vai, com toda a certeza, manter-se vivo na memória dos portugueses, faz parte da nossa história.
abraço
cvb